Ao utilizar este website está a concordar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte os nossos Política de Privacidade.

OK
PT
EN
Fale Connosco

Fale Connosco

Preencha os seus dados e entraremos em contacto consigo

* Campos de preenchimento obrigatório

Comprar ou deter um imóvel é um grande passo que envolve um compromisso financeiro substancial a longo prazo. Os impostos sobre imóveis em Portugal incidem sobre a compra, a detenção e a venda de ativos imobiliários. Este artigo irá delinear as implicações fiscais para cada momento um destes momentos e o que pode esperar no caso de decidir vender o seu bem imóvel.



Compra de propriedade em Portugal - Impostos

Não é necessário ser residente português ou ter uma autorização de residência para adquirir propriedades imobiliárias em Portugal.

No entanto, mesmo como não residente, terá de obter um Número de Identificação Fiscal Português (NIF), e, no caso de ser não residente na UE, terá de nomear um representante fiscal se comprar um imóvel em Portugal.

Ao adquirir propriedade imobiliária em Portugal, fica sujeito aos seguintes impostos:

  • Imposto de Transmissão de Imóveis (IMT) - até 7,5% dependendo do tipo de propriedade: alojamento primário ou secundário, lote de terreno para construção, propriedade comercial, ou terreno rústico.
  • Imposto de Selo (IS) - é aplicada uma taxa de 0,8% ao mesmo valor utilizado para a avaliação do IMT.

Deve também considerar as taxas notariais e de registo, que devem variar entre € 750 e € 1.500.

O IMT, o IS e as taxas de notário/registos são devidos no dia da escritura de aquisição.

Detenção de propriedade em Portugal - Impostos

Após a aquisição, os proprietários de propriedades imobiliárias portuguesas estão sujeitos ao pagamento anual dos seguintes impostos:

Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) - entre 0,30% e 0,45% sobre o valor fiscal de um prédio urbano (aplicam-se taxas diferentes aos prédios rústicos). Uma taxa especial de 7,5% aplica-se a propriedades pertencentes a residentes em jurisdições incluídas na lista de paraísos fiscais.

O IMI é pago em até 3 prestações (em maio, agosto e novembro) pelos proprietários de imóveis em 31 de dezembro do ano anterior.

Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI) - o AIMI é cobrado sobre a soma dos valores fiscais de todos imóveis detidos por um contribuinte a 1 de janeiro de cada ano.

Existem 3 taxas de AIMI:

  • 0,7% para uma carteira imobiliária avaliada entre € 600.000 e € 1.000.000.
  • 1% para uma carteira imobiliária avaliada entre € 1.000.000 e € 2.000.000.
  • 1,5% para uma carteira imobiliária avaliada acima de € 2.000.000 de euros.

No caso de propriedade individual, é permitida uma dedução de € 600.000 para a base tributável. Os sujeitos passivos casados ou em coabitação que optem por apresentar uma declaração de impostos conjunta têm direito a deduzir até € 1.200.000 da soma do Valor Patrimonial Tributário (VPT) de todas as suas participações urbanas.

Os imóveis classificados como "para serviços", "comerciais ou "industriais" não estão sujeitos ao AIMI. Para os imóveis detidos através de uma empresa sediada num paraíso fiscal, é aplicável uma taxa agravada de AIMI de 7,5%.

O AIMI é pago numa única prestação em setembro.

Venda de imóveis em Portugal - Impostos

Portugal tem regras diferentes aplicáveis à venda de imóveis por indivíduos residentes e não residentes:

  • Residentes: 50% das mais-valias resultantes da alienação de imóveis por residentes fiscais em Portugal são tributadas às taxas marginais progressivas que variam entre 14,50% e 48%.
  • Não-residentes: As mais-valias totais resultantes da alienação de um imóvel em Portugal são tributáveis a uma taxa fixa de 28%, mas os contribuintes podem optar pelo regime aplicável aos residentes (na declaração de rendimentos).

Em 2021, o Tribunal de Justiça Europeu decidiu que a tributação portuguesa das mais-valias realizadas por pessoas singulares não residentes é contrária ao direito comunitário. Em suma, é necessário mais do que estabelecer uma opção entre um regime discriminatório (28% sobre 100% das mais-valias) e um regime não discriminatório (taxas progressivas sobre 50% das mais-valias); sendo que Portugal terá de fixar a regra principal para os não-residentes.

No entanto, até à data de redação, as regras portuguesas a este respeito ainda não foram alteradas.

Relacionados

Como abrir conta bancária em Portugal

Saber mais

Golden Visa em Portugal - Novas Regras 2022

Saber mais